Mª Àngels Puertas: “Aixada Conservas é a fusão entre o artesanato, a agricultura local e a família”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Aixada Conservas

Aixada Conservas é uma linha de conservas de tapenade gourmet, sozinha ou acompanhada com outros alimentos, tais como anchovas, bem como compotas e preparações vegetais. Além disso, sob esta marca também oferecem cestos de legumes frescos diretamente das suas hortas.

A Aixada Conservas nasceu em 2015 graças ao desejo de Mª Àngels Puertas Badorrey e do seu marido de continuar um legado transmitido de pai para filho durante três gerações.

Embora Mª Àngels tenha trabalhado durante quase 40 anos na indústria têxtil, esteve sempre envolvida na agricultura e na cozinha, seguindo o exemplo da sua família, agricultores e criadores de gado ao longo da sua vida.

Hoje, a Aixada Conservas fabrica os seus produtos nas instalações comunitária da VEAMAT, a Incubadora Municipal de Empresas Alimentares da Câmara Municipal de Tagamanent. Aí encontraram a solução mais económica e apropriada para pôr em prática os seus conhecimentos e tornar os seus sonhos realidade.

Na TERRA Food-Tech® valorizamos profundamente o trabalho que os pequenos produtores e micro-empresários fazem para manter, transmitir e preservar a gastronomia local. Por esta razão, gostaríamos de lhe explicar a sua experiência no mundo das conservas gourmet através desta entrevista onde Mª Àngels nos conta porque decidiu iniciar um negócio, como o fez e quais foram os resultados da sua aventura.

Entrevista com Mª Àngels Puertas da Aixada Conservas

Ma Àngels Puertas de Aixada Conservas com azeitonas.

Mª Àngels, fale-nos da Aixada Conservas.

A Aixada Conservas é o culminar de anos de dedicação de três gerações da mesma família à agricultura e produção artesanal em pequena escala, utilizando receitas dos nossos bisavós.

Porquê o nome Aixada Conservas?

Acreditamos que reflecte tudo o que a empresa representa. Ainda temos as enxadas dos nossos avós para trabalhar nos campos, que são mais velhas do que eu, e eu já tenho mais de 55 anos…

De facto, continuamos a cultivar, não só com esta ferramenta, mas da mesma forma que os meus avós faziam. É uma forma de os honrar, de os recordar. Embora eles já não estejam connosco, o seu legado estará sempre connosco, nós estamos aqui por eles. Apenas seguimos os passos deles.

Quais foram as razões que vos levaram a decidir iniciar um pequeno negócio de conservas gourmet?

Foi puro acaso. Sempre fizemos conservas e adoramos cozinhar, mas só o fazíamos à porta fechada, para a família. E, por coincidências da vida, estes produtos acabaram nas mãos de pessoas mais especializadas que estavam muito interessadas em comercializá-los e nós apercebemo-nos do seu potencial.

Isto foi a faísca, o empurrão final, para fazer algo que sempre quisemos fazer, vender os nossos produtos.

Que passos deram?

Antes de mais, selecionar com muito cuidado quais das receitas que sempre cozinhámos poderiam ser mais adequadas para a comercialização.

Depois, desenvolver estes produtos, ou seja, melhorá-los o mais possível antes do seu lançamento no mercado, o que nos levou quase um ano.

E a partir daí, uma vez que tínhamos o produto bem definido, era tempo de nos concentrarmos em tudo o que rodeia o produto. Definir a marca, a rotulagem, procurar fornecedores de recipientes, realizar um estudo de mercado para ajustar o preço tanto quanto possível… Mas o principal era a qualidade do próprio produto, e o resto foi acontecendo.

Uma vez definido o produto, era tempo de o apresentar ao público. Sempre fomos claros quanto ao tipo de loja que queríamos visar, uma loja muito específica que estava empenhada em produtos de qualidade e que valorizava o nosso produto, e assim chegar ao cliente final que aprecia este tipo de conservas, a qualidade da matéria-prima, o artesanato e o trabalho que realmente lhes é dedicado.

As conservas gourmet da Aixada Conservas têm vindo a abrir caminho através destas lojas e também através de feiras para as quais temos sido convidados. Isto permitiu-nos conhecer muitas pessoas, que nos recomendaram aos seus familiares e conhecidos e abriram-nos as portas para outras lojas onde habitualmente fazem as suas compras. Isto mostra que os nossos produtos são muito apreciados.

Qual foi a coisa mais difícil para vocês na hora de assumir o negócio?

O mais complicado são os obstáculos que a Administração coloca no teu caminho. Do mesmo modo que encontrámos, mesmo dentro da Administração, pessoas que nos ajudaram muito a nível pessoal, a burocracia de criar uma empresa ou de desenvolver um projeto como este é tão monumental que, se não estivermos muito convencidos, é fácil acabar por desistir, atirando a toalha ao chão.

No final, apercebemo-nos de que todo este discurso político de ajuda aos empresários que tantas vezes ouvimos cai em saco roto porque nem esta ajuda chega nem eles facilitam nada. A nível fiscal, o tratamento que, neste caso, as pequenas empresas, recebem é absolutamente selvático, quando são elas que podem acabar por dar emprego a muito mais pessoas.

O que é que significa e/ou significou para vocês esta decisão de iniciar um negócio?

A decisão de iniciar um negócio não só nos deixou orgulhosos de poder dizer que o que era originalmente um sonho se tornou realidade, mas também é um crescimento pessoal devido ao número de pessoas que conhecemos e que nos deram um feedback tão positivo, isso não tem preço. Estamos muito gratos pelo acolhimento que sempre recebemos, sabemos que temos tido muita sorte em encontrar pessoas tão simpáticas que nos ajudaram muito.

Onde podemos encontrar a Aixada Conservas?

Não temos uma loja fixa precisamente porque temos esse espírito de produtores, elaboradores. No entanto, não excluímos a possibilidade de dar este último passo em falta com a concretização de uma loja fixa. Sem esquecer que o devemos não só ao cliente final, mas também às lojas que apostaram em nós. Se chegámos até aqui, foi graças a elas.

Todas estas lojas podem ser encontradas no nosso website e também nas nossas redes sociais (@aixadaconserves), onde divulgamos os nossos produtos e os de outros tão bons como os nossos, bem como receitas fáceis de fazer e muito apetitosas.

Além disso, temos uma barraquinha fixa no mercado local da Plaza de la Corona em Granollers todos os sábados de manhã e participamos em outros mercados e feiras.

Aixada Conservas faz as suas conservas gourmet na Incubadora Municipal de Empresas Alimentares da Câmara Municipal de Tagamanent (VEAMAT). Como tomaram conhecimento desta iniciativa e porque a escolheram?

Tomámos conhecimento desta iniciativa através da Rede de Produtos da Terra. Nessa altura, estávamos à procura de instalações com uma estadia não permanente, semelhante à que nos foi oferecida em Tagamanent. Poderíamos dizer que, mais uma vez, foi tudo por acaso. Uma coincidência que surgiu na altura certa e conhecemos as pessoas certas que nos ofereceram esta possibilidade.

Tagamanent para nós, neste caso a Câmara Municipal e, especialmente, Ignasi, o Presidente da Câmara, farão sempre parte do nosso crescimento e nós sempre teremos por eles um carinho e gratidão eternos. Esperemos que outros municípios tomem nota de iniciativas tais como a VEAMAT.

Que problemas enfrentou ao fazer as conservas?

A nossa produção é inteiramente artesanal. Nesta base e considerando que não acrescentamos quaisquer aditivos ou conservantes não naturais, ficámos expostos a certos problemas no início. Problemas decorrentes da entrada de ar em certos recipientes, encontrar a temperatura ideal de armazenamento, a seleção ótima de cada ingrediente para que não interfiram uns com os outros… E finalmente, atingimos um ponto de excelência graças ao domínio do autoclave e ao controlo da acidez das nossas preparações. O domínio da esterilização com autoclave foi essencial para alcançar o nosso produto final.

Produção da Aixada Conservas com autoclaves TERRA Food-Tech.

Que medidas tiveram de tomar para resolver essa situação?

Nós já tínhamos alguma experiência com o tema da conservação tradicional. No entanto, percebemos que precisávamos da ajuda de um técnico alimentar para responder a muitas das nossas dúvidas. Finalmente, com a entrada do autoclave nas instalações de Tagamanent, conhecemos Albert, o técnico colaborador da TERRA Food-Tech®, que nos ajudou a alcançar um nível ótimo de controlo sobre as nossas produções.

Acha que o mundo das conservas gourmet é uma oportunidade de negócio?

A decisão de entrar neste setor não foi aleatória. Percorremos um longo caminho, embora não comercialmente, mas na produção de conservas, o que nos dá uma certa quantidade de experiência que poderíamos dizer que faz parte de nós.

Acreditamos que cada vez mais pessoas estão a optar por produtos locais e naturais. Eles sabem e nós sabemos que têm um impacto muito positivo na nossa saúde e que, ao mesmo tempo, não estão isentos da mais alta qualidade para o paladar. No fundo, as pessoas que compram comida querem que seja boa, e se for também saudável, tanto melhor.

Que conselho daria a alguém como você que quer começar no mundo das conservas?

Paciência, auto-exigência e boa vontade. O resto é secundário. Se pusermos estas duas coisas sobre a mesa, as sinergias positivas com outras pessoas aparecerão como consequência.

Muito obrigado Mª Ángeles da Aixada Conservas por aceitar esta entrevista. A TERRA Food-Tech®, deseja-vos a melhor das sortes na vossa aventura, vocês merecem!

Scroll to Top